segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Aos Mestres, com carência...

Uma homenagem (jamais tardia, nunca bastante) ao Dia do Mestre.

Não há candidato a qualquer coisa que não faça o diagnóstico exato: o problema do Brasil é a educação. Ok, está certo, não é bem assim... Eles sabem (e talvez até queiram dizer) que o problema do Brasil é a falta de educação!
A história da educação no Brasil é, em grande parte, a história das tentativas frustradas (pelos outros...) de melhorar (ou até revolucionar) suas estranguladas estruturas.
Pode-se até pensar que, historicamente, nós, brasileiros, temos simplesmente desprezado nossos melhores educadores. Talvez, por mera falta de educação...

No Império, D. Pedro II acumulou, neste campo, extensa “folha corrida” de benemerências. Foi inclusive o primeiro fotógrafo brasileiro, a partir de março de 1840. Mas, apesar da seriedade de sua figura, não conseguiu, em geral, muito mais do que ser caricaturado como um governante alienado dos problemas do país [veja neste blog  http://afotohistoricanobrasil.blogspot.com/2010/09/na-pre-imagem-do-fotojornalismo.html]
Pedro II aos 61 anos, 1887 - Lucien Waler
"Interessado na educação, o imperador freqüentava concursos nas escolas de Medicina, Politécnica, Militar e Naval. Isso sem falar do Colégio Pedro II, a grande predileção do monarca” [SCHWARCZ, Lilia Moritz, As Barbas do Imperador, Companhia das Letras, 2002]. “Foi o fundador, mantenedor e incentivador de inúmeras instituições científicas no Brasil, entre as quais se destacam, além do já citado observatório astronômico, o Instituto Baiano de Agricultura, o Instituto Agronômico de Campinas, o Museu Paraense, o Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, a Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional e a Escola de Minas de Ouro Preto.” [http://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_II_do_Brasil]
Rui Barbosa - Chapelin, Paris, 1907

Rui Barbosa voltou consagrado da Segunda Conferência da Paz, Holanda, 1907, aclamado como a Águia de Haia! Pois, em 1910, apesar do vulto da Campanha Civilista, foi derrotado na disputa para Presidência da República, certamente muito mais pela ignorância dos adversários que a dos eleitores...
A participação de Rui na Conferência da Paz, encerrada em 18 de outubro de 1907, repercutiu na imprensa internacional, colocando em evidência uma brilhante atuação. Diplomatas que regressavam da Holanda espalhavam notícias sobre o triunfo do delegado brasileiro. Quando desembarcou no solo natal, em dezembro daquele ano, um povo envaidecido e orgulhoso consagrava-o como a Águia de Haia. Rui Barbosa atingia o ápice da glória. [http://www.projetomemoria.art.br/RuiBarbosa/periodo1/index.htm]

Villa-Lobos - s/d, 1942
Villa-Lobos, um gênio tão inspirado quão transpirador, investiu no potencial transformador da música. Aproveitando interstícios do poder (inclusive um convite de outro grande educador, Anísio Teixeira), criou, em 1942, o Conservatório Nacional de Canto Orfeônico, que formaria o Magistério Orfeônico nas escolas, e elaborou diretrizes para o ensino do Canto Orfeônico etc etc, iniciativas que... desapareceram com o tempo.
Escreveu Carlos Drummond de Andrade: "Quem o viu um dia comandando o coro de 40.000 mil vozes adolescentes, no estádio do Vasco da Gama, não pode esquecê-lo nunca. Era a fúria organizando-se em ritmo, tornando-se melodia e criando a comunhão mais generosa, ardente e purificadora que seria possível conceber". [http://www.boamusicaricardinho.com/villalobos_83.html]

Paulo Freire - s/d, anos 80
Em 1963, Paulo Freire testou, no Rio Grande do Norte, seu método de alfabetização pela conscientização: ensinou 300 adultos a ler e a escrever em 45 dias. Com o golpe de 64, preso e depois exilado, produziu no exterior extensa obra prática (implantando o método em vários países) e teórica (publicando vários livros). Após a Anistia de 1979, retornou à luta pela educação no Brasil.
“Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” (Paulo Freire) [http://www.paulofreire.ce.ufpb.br/paulofreire/]

Niemeyer, Brizola e Darcy apresntando CIEPs - s/d, 1982



Darcy Ribeiro, antropólogo, um dos fundadores e primeiro reitor, 1962, da UNB - Universidade Federal de Brasília, também se exilou da ditadura do golpe de 64, trabalhou com Allende no Chile. Após a anistia, foi um dos idealizadores (no primeiro governo Leonel Brizola, 1982-86) dos CIEPs, Centros Integrados de Ensino Público, projeto pedagógico com assistência em tempo integral ao aluno, abandonado pelos governos posteriores...
“Fracassei em tudo o que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui. Tentei salvar os índios, não consegui. Tentei fazer uma universidade séria e fracassei. Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei. Mas os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu” [Darcy Ribeiro, http://fundar.tempsite.ws/]

Uma opção que todos estes Mestres possivelmente assumiriam.
O problema é que os tais que lhes foram vencedores continuam nos mesmos lugares...

10 comentários:

Anônimo disse...

Excelente o seu blog, Guina... Um grande abraço
Alfredo Herkenhoff

Vera Regina Solon Lopes disse...

PARABÉNS!!!!!
GENIAL!!!!!!
MARAVILHOSO!!!!!!

Monic aLeite costa disse...

Lindo texto, Guina, preciso e sensível. Não se fazem mais professores como antigamente. Adorava o Darcy, um gênio mal interpretado.
Beijocas,
Monique

Cleusa Meurer disse...

Parabéns.
Como diz o mané desta Ilha, "Arrombastes"!!!
Lindo texto.
Cleusa

Luiz Carlos David disse...

Olá Guina.
Ótimo texto, muito bem lembrado e oportuno!!
Parabéns.
Abrs.

Mauricio Murad disse...

MARAVILHA, GUINA!!!
OBRIGADO PELA PARTE QUE ME TOCA.

A FRASE DO DARCY É SIMPLESMENTE MARAVILHOSA!!!
ABÇ., MAURICIO.

MEMÓRIAS CAMINHADAS disse...

Parabéns,pela maravilhosa postagem!!!! Justa homenagem aos mestres, os reconhecidos e os anônimos. Muita sensibilidade.Se os poderosos investissem na educação muita coisa mudaria nessa terra.
Muitos beijos
Márcia Hortência

Ana Motta disse...

Tenho a honra e o orgulho de informar que o criador deste BLOG, Guina Ramos, foi meu colega de faculdade e é amigo querido até hoje.
Desejo, - usando a expresão criativa dele - um Feliz e especial Dia dos Mestres brasileiros para cada um de nós: os que damos aula ou os que apenas somos honestos com nosso trabalho público nesse país!
Abçs,
Ana Motta

Wanderlino Teixeira Leite Netto disse...

Guina,
Parabéns! Tudo sempre muito interessante. Gostei muito do título.
Abç.

Dora Locatelli disse...

Gostei muito da matéria: “Ao Mestre, com carência”... Grandes mestres de nossa história!...Também fui professora e depois, Mestre, de português e de literatura brasileira e portuguesa. A maior parte de minha vida foi dedicada à Educação.

Hoje, a sala de aula, infelizmente, transformou-se em uma arena...